CONFRARIA DOS RIO-GRANDINOS

A Confraria dos Rio-grandinos, criada em 25/06/09, é um blog de divulgação e reflexão sobre a história, a cultura e o patrimônio da cidade do Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Este é também um veículo de divulgação dos Papareias (naturais da cidade do Rio Grande/RS) que se destacaram ou que se destacam no cenário nacional e internacional. As imagens e os textos apresentados na sua maioria são do autor do blog e destinam-se a ilustrar idéias e valores estéticos e artísticos. Para efeitos de direitos de autoria nas postagens são sempre mencionadas as fontes. Se alguém conhecer algum impedimento à divulgação de alguma imagem ou texto agradeço que contate comigo, por e-mail, a fim de que possa proceder à sua supressão. Todas as postagens constantes neste Blog são de domínio público e podem ser copiadas sob a autorização do seu Criador. Seja mais um Confrade tornando-se Seguidor desta Confraria.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Ida Celina Weber Silveira, nascida em 15/02/45 na cidade do Rio Grande/RS, professora de interpretação teatral e atriz. Em 1965 mudou-se para Porto Alegre onde ingressou nos cursos superiores de artes plásticas e de arte dramática na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Graduada, exerceu por 12 anos a docência no Departamento de Arte Dramática da UFRGS, onde chefiou o Departamento por sete anos. Participou de mais de 40 espetáculos teatrais ou poéticos, entre eles: Ópera dos Três Vinténs; Jogos na Hora da Sesta; O Casamento do Pequeno Burguês; A Maldição do Vale Negro; Casca de Ferida; Almoço na Casa do Senhor Ludwig; Beckett na Veia. Participou de espetáculos dirigidos por Luciano Alabarse: Hamlet; Medeia; Édipo e Bodas de Sangue. Desde 1989 vem integrando comissões avaliadoras em diversos festivais teatrais. Desde 1996 faz apresentações do monólogo de autoria de Vera Karan “Maldito Coração, me alegra que tu sofras”, dirigido por Mauro Soares, com o qual recebeu prêmios de Melhor Atriz em quatro festivais nacionais de teatro. Foi agraciada com dois Prêmios Açorianos de Melhor Atriz e dois como Melhor Atriz Coadjuvante, além de várias indicações. No cinema e televisão trabalhou em vários curtas-metragens e em dois longas. No cinema “Quase um Tango” em 2009 e “Tres Vezes por Semana” em 2j011. Na televisão, em 2010 participou na novela “ Escrito nas Estrelas” da Rede Globo. Com a personagem Regina na minissérie “O Brado Retumbante” produzida pela Rede Globo e exibida originalmente no inicio de 2012. 
 Fontes: Teatropédia; e-pipoca, enciclopédia Itaú Cultural, Wikipedia.

domingo, 23 de junho de 2013

Guilherme Leicam



Guilherme Maciel Costa,  de nome artístico Guilherme Leicam,  nasceu no dia 20 de julho de 1990,  na cidade do Rio Grande/RS é um talentoso ator de teatro e  televisão.  Mudou-se em 2005 para o Rio de Janeiro/RJ, onde reside atualmente,  na busca de mais oportunidades na profissão de ator.    Estreou em 2010  na  televisão recebendo o Premio Qualidade Brasil, na categoria de Melhor Ator Revelação por seu  papel de Led Piñon  na novela Tempos Modernos, da rede Globo.     Em 2011 interpretou também na rede Globo o Fábio Passarelli em Fina Estampa.    Em 2013,  na 2ª fase de Malhação da Globo  é o Vitor Machado.      Além da televisão, em 2011 Guilherme foi o protagonista da peça infantil "Peter Pan - Eu Acredito em Fadas!" e em 2011 participou em duas temporadas da peça "Herdeiros".  Além do seu talento na arte de interpretar Guilherme gosta pela música e toca  violão.  O ator gaúcho é considerado o mais novo galã da televisão brasileira.

Fontes: Wikipédia, Pure People e Fuxico. Foto do site nlucon.com

sexta-feira, 24 de maio de 2013

General Carlos Alberto dos Santos Cruz



Carlos Alberto dos Santos Cruz nasceu no dia 1º de junho de 1952, na cidade do Rio Grande/RS é um Tenente General de divisão do exército Brasileiro.     Formado em Engenharia Civil pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Ingressou no Exército em Março de 1968, onde comandou pelotões e batalhões no Amazonas, Mato Grosso do Sul, Goiás e Paraná.     Em 2001 e 2002, foi adido militar junto à Embaixada do Brasil em Moscou, Rússia.    De janeiro de 2007 a abril de 2009  o oficial brasileiro ocupou uma posição importante nas forças da ONU: foi comandante de 12.000 militares na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah).    Reformou-se em novembro de 2012, passando para a reserva.     Em seguida tornou-se assessor especial do ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da Republica do Brasil.      Em  abril de 2013, foi escolhido pelo  secretário-geral da Organização das Nações Unidas - ONU, Ban Ki-moon  para suceder o tenente-general indiano Chander Prakash Wadhwa no comando da missão de paz no Congo (Monusco),  na coordenação cerca de 20 mil militares de 20 países.  A missão tenta pacificar um país com 3,9 milhões de habitantes, que há duas décadas convive com ataques de grupos armados e instabilidade política.  O Congo é cenário também de conflitos étnicos, políticos, econômicos e de disputas por recursos naturais. Os confrontos no país africano têm raízes em um genocídio em Ruanda, ocorrido em 1994. Rebeldes hutus, grupo étnico rival dos tutsis, agem nas florestas do Leste do Congo.  Durante a guerra, mais de 5 milhões de pessoas morreram. O tenente-general Santo Cruz  traz consigo uma experiência militar nacional e internacional de 40 anos e já recebeu as honrarias de Comendador da Ordem de Mérito Militar e Comendador da Ordem de Mérito Naval.
Fontes: Rede Brasil Atual; Wikipédia, Zero Hora e Nações Unidas do Brasil

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Conde de Porto Alegre


Manoel Marques de Souza, nasceu no dia 13 de junho de 1804 na cidade  do Rio Grande.    Oriundo de uma tradicional família de fidalgos Generais, desde sua infância Manoel Marques de Souza III demonstrava pendor para a carreira das armas. Aos 12 anos de idade, já acompanhava seu pai, Brigadeiro Manoel Marques de Souza, na campanha do Uruguai, tomando parte nos combates do Pando e Manga. Em 20 de janeiro de 1818, com apenas 13 anos de idade, ingressou como praça no 1º Regimento de Cavalaria da extinta Divisão de Volutários Reais.    Devido ao seu desempenho no entrechoque das armas  foi promovido a Alferes e alcançou os postos de Tenente e Capitão, devido aos seus atos de bravura nos combates de Las Piedras e Ituzaingô respectivamente, ambos na campanha de anexação da banda oriental do Uruguai. Tomou parte nas campanhas do Uruguai e Paraguai desde 1825 até 1828.   Aos 24 anos, foi promovido a Major e no comando do 4º Regimento de Cavalaria Ligeira, atuou na Guerra contra Rósas, onde na Batalha de Monte Caseros, em solo Argentino, alcançou vitória e participou de emocionante desfile com tropas brasileiras pelas ruas de Buenos Aires.  ,Ainda Major teve heróica participação na Reolução Farroupilha, ocasião na qual mesmo prisioneiro dos Farrapos, coordenou uma épica contra revolução que culminou com o término do sítio à cidade de Porto Alegre, mais uma vez destacando-se pela bravura própria e de seus denodados companheiros. Devido aos seus feitos, no início da Guerra do Paraguai, foi convocado da reserva das Forças Armadas, por decreto imperial de 20 de julho de 1865 e pessoalmente nomeado pelo Imperador Dom Pedro II como comandante das tropas brasileiras no extremo sul do país.    Sua fibra e tenacidade rejuvenescidas por tão nobre missão foram novamente exigidas na célebre retomada de Uruguaiana, onde participou efetivamente da formidável manobra do cerco terrestre a então "Vila de Uruguaiana". Manoel Marques de Souza, então Barão de Porto Alegre, comandou o cerco a Uruguaiana, liderando um Exército com aproximadamente 19.000 homens e, após encurralar o inimigo, dirigiu-se a sua tropa e a viva voz proferiu uma memorável exortação, que incutia em seus soldados o efetivo domínio brasileiro e a superioridade de nossas forças, enviando logo em seguida um ultimato aos invasores que prontamente se renderam.   O Conde de Porto Alegre, um dos protagonistas de singular momento histórico, passou a figurar nesta data na história de Uruguaiana, limite do território, brasileiro, retomando-a e devolvendo ao povo uruguaianense seus lares e sua idolatrada cidade. Por estas, e por diversas outras passagens de sua vida, ficou conhecido como "Centauro de Luvas", alcunha que lhe foi concedida por alguns historiadores. É o patrono da tradicional unidade do exército em Uruguaiana, o 8º Regimento de Cavalaria Mecanizado Conde de Porto Alegre. Foi também homenageado pela Universidade Federal de Santa Maria que teve a Biblioteca Central batizada com o seu nome. Foi homenageado em Porto Alegre com  um monumento, e emprestou seu nome para uma praça e uma rua da cidade.   Dos títulos que recebeu, consta a grã-cruz da Imperial Ordem de Cristo, dignitário da Imperial Ordem do Cruzeiro, cavaleiro da Imperial Ordem de São Bento de Avis e todas as medalhas das campanhas do Uruguai, Argentina e Paraguai. Foi eleito deputado à Assembléia Provincial por diversas vezes; foi Ministro e Secretário dos Negócios de Guerra da Província; foi promovido ao posto de Marechal de Campo e agraciado com o título de Barão de Porto Alegre em  1852; visconde em 1866 e conde em 1868.    O Conde de Porto Alegre faleceu no dia 18 de julho de 1875 no Rio de Janeiro/RJ.
Fontes: História Militar (Carlos Roberto C. Daróz) e Aspectos Gerais do Município de Rio Grande (Fortunato Pimentel).

Tenente Charles M. Kinsolving


Charles M. Kinsolving  está listado no quadro de heróis do Wings of Honor, foi premiado com a Croix de Guerre por sua participação como membro do Corpo de vôo Lafayette na Primeira Guerra Mundial.    Nasceu em 19 de janeiro de 1893, na cidade do Rio Grande/RS,  era filho do bispo anglicano Lucien Lee Kinsolving e de Alice Brown.  Seu pai foi o fundador da Igreja Anglicana do Salvador do Rio Grande e primeiro bispo anglicano no território gaúcho, tendo sido mais tarde transferido como epíscopo para as dioceses anglicanas da Virginia e Carolina do Sul nos Estados Unidos.  O Tenente Charles participou da I Guerra Mundial no primeiro  Regimento da Legião Estrangeira da Aeronáutica, inicialmente no quadro de motoristas de ambulâncias americanas no front francês em 1916.     Em julho de 1917,  passou para a aviação como aluno a piloto, na escola de aviação militar de Tours, onde obteve habilitação para Caudron G III e de setembro a outubro deste ano fez o curso para formação em Caudron G 4.   Em novembro de 1917,  alistou-se no quadro de pilotos do Air Service e Flying Lafayette Corps, iniciando missões de guerra  com a esquadrilha Br.117, mais tarde uniu-se ao USAS, servindo como C.O. do Esquadrão 163 Daylight, participando de varias missões de bombardeio, no palco de guerra da Europa de 30 de setembro de 1918 até o armistício.  Neste período foi nomeado primeiro-tenente em 25 de fevereiro de 1918.  Foi nomeado instrutor em Clermont-Ferrant,  de junho a  setembro de 1918.   Comandou a 163 rd dia Bombing Squadron de setembro a novembro de 1918.   Foi agraciado com a estrela  Croix de Guerre.   Após a I Grande Guerra, fixou residência em São Paulo e trabalhou na Câmara de Comercio de São Paulo,  acumulando a atividade de correspondente da United Press, no Rio de Janeiro, até a sua expulsão do Brasil por causa do envio de noticias codificadas sobre a Revolução de 1924 em que tenentes e capitães do Exército tinham o objetivo de depor o Presidente da República do Brasil, Arthur Bernardes, pois defendiam a purificação das instituições e o fim das oligarquias e elites dominantes. Em 1943, Kinsolving passou a trabalhar para a Revista Newsweek, sendo o seu diretor para a edição latino-americana e diretor em New York.  Charles destacou-se como um grande lider do Partido Democrata.  Faleceu no dia 24 de dezembro de 1984 em Carmel na Califórnia, Estados Unidos.
Fontes: Manoel Touguinha no Blog Papareia, Le Esquadrille Br_117, Worthpoint.com da coleção Gregory VanWyngarden.